Page 1
Anuncio Rolleiflex
Padrão

Fotografia analógica: Rolleiflex

Em meados de 2005 a cruzada da fotografia digital foi oficialmente iniciada, perseguindo de vez as lendárias câmeras e a 24×36 e a fotografia analógica. Neste mesmo ano, Nikon encerra as atividades de produção de sua linha analógica, as outras marcas fazem igual sem nada a declarar. Aos poucos, câmeras como EOS1DS MKII, Canon EOS5D, Nikon D2X e D200, FujiS5 oferecem  uma qualidade de imagem superior e acabam de vez com as 24×36 analógicas.

Muitos fotógrafos que passaram por essa transição não jogaram fora suas câmeras, ainda utilizam com afinco e alternativa “cult” para fotografar, já outros praticam de forma pedante o manuseio de uma analógica. Deixando os puristas de lado, não podemos deixar de ressaltar a magia de uma câmera 24×36,  entre tantos modelos incríveis e atemporais podemos destacar um: Rolleiflex. Continue Reading →

a banca
Padrão

Como fotografar shows e bandas

Fotografar bandas pode ser um trabalho que muitos fotógrafos ou fãs desejam realizar. Fotografar shows e bandas é mais uma vertente da fotografia no qual se exige aptidão e muita disposição. Esta área pode ser dividida entre os que realmente acompanham uma banda e fazem parte do staff, ou os que trabalham para uma revista, casa de shows e tem como função cobrir os espetáculos. Continue Reading →

fotografo de casamento
Padrão

Como escolher um fotógrafo de casamento

Depois de namoro no portão à moda antiga, beijinhos e afins dentro do carro, intermináveis conversas pelo Facebook e mensagens apaixonadas no WhatsApp, o grande dia chegou: o dia do casamento.

O sociólogo Zigmunt Bauman define a civilização atual como uma sociedade líquida, em que os laços conjugais perdem cada vez mais solidez e facilmente nos desprendemos de um companheiro, segundo Bauman, muitas pessoas se relacionam da mesma maneira que consomem. E o casamento nisso tudo? Continue Reading →

Lorenzo Guido Cappellato
Padrão

A profissão do momento: Fotógrafo

Fotógrafos, cinegrafista, músicos e  artistas que conseguem viver de arte no Brasil também não escaparam da enxurrada da banalização. Nós artistas (se é que eu posso me denominar um), somos obrigados a nos adaptarmos a tudo que a maré traz: oportunistas, amadores e curiosos se misturando entre os que lutam bravamente em meio aos escombros para sobreviver.

O ritmo em que vivemos é acelerado, não é só um vídeo na internet que se propaga em uma velocidade incrível, as profissões, concorrências e necessidades financeiras seguem a mesma tendência. Seria uma tarefa árdua nomear uma profissão que mais cresceu, mas se pudéssemos destacar uma, seria a fotografia. Continue Reading →